Manifestantes exigem independência na região anglófona do Camarões

Os soldados limpam uma estrada em Bamenda, nos Camarões, após os protestos de Dezembro passado. (Reuters / Stringer)

O Governo Camaronês enviou contingentes policiais e soldados para todas as regiões falantes de língua inglesa para bloquear protestos convocados por activistas, incluindo grupos que exigem independência do governo dominado pelos francófonos.

Os protestos nas regiões sudoeste e noroeste foram convocados por um grupo denominado Conselho Directivo do Sul do Camarões/Ambazonia. Quatro manifestantes foram mortos a tiros na cidade noroeste de Kumbo quando marchavam em direcção aos edifícios do governo para içar a bandeira azul e branca da Ambazonia.

Ativistas içaram a bandeira da Ambazonia em Bamenda, no noroeste do país.

Na manhã deste domingo, helicópteros sobrevoavam a cidade Buea, e um enorme contingente do exército se posicionava nas instalações governamentais, escolas e igrejas. O governo também restringiu os serviços de internet naquela parte do país.

Milhares de manifestantes preparando-se para marchar em vilas e cidades nas regiões anglófonas / AFP

O presidente Paul Biya, de 84 anos, ordenou uma onda de prisões no início deste ano, depois de protestos de advogados e professores em áreas de língua inglesa contra o domínio da língua francesa em tribunais e escolas nas regiões noroeste e sudoeste, que fazem fronteira com a Nigéria.

Camarões, originalmente colonizado pela Alemanha, foi dividido após a Primeira Guerra Mundial em uma extensa área controlada pelos franceses e uma área menor controlada pelos britânicos. Estas áreas foram unificadas em 1961.

Bloomberg

Deixar um comentário