Presidente do Gana pede a África para eliminar a dependência externa

O presidente francês, Emmanuel Macron, com a presidente do Gana, Nana Akufo-Addo, no palácio presidencial de Accra, no Gana. (Reuters / Philippe Wojazer)

Um vídeo em que o Presidente do Gana, Nana Akufo-Addo, aparece respondendo a uma pergunta numa conferência de imprensa conjunta em Accra com o presidente da França, Emmanuel Macron, tornou-se viral.

A questão de um jornalista local era sobre se a França iria fortalecer seu “apoio” para outros países africanos além das antigas colônias onde a maior parte da ajuda francesa é canalizada. Gana conquistou a independência da Grã-Bretanha em 1957.

Macron respondeu a questão com a retórica  ‘politicamente correcta’. Mas quando chegou a hora do presidente do Gana falar, e ciente de que o estava prestes a dizer era controverso, ele começou dizendo: “Espero que os comentários que estou prestes a fazer não venham a ser ofensivos quer seja para o jornalista assim como para os demais aqui presentes.”, aludindo a sua contraparte francesa.

“Nós não podemos mais continuar a direccionar a nossa política, tanto ao nível dos nossos países, na região e no continente, com base em qualquer apoio que o mundo ocidental ou a França, ou a União Europeia possa nos dar. Não vai funcionar. Não funcionou e não funcionará “, ressaltou.

Um Macron visivelmente desconfortável se encolheu, sem saber para que lado da sala olhar. O presidente ganês terminou o seu discurso dizendo que por mais que ajuda fosse apreciada, ele continuaria a se opor a esta política.

“Temos que nos desfazer dessa mentalidade de dependência. Essa mentalidade de ‘o que a França pode fazer por nós?’ A França fará tudo o que quiser para o seu próprio benefício. ”

“A nossa preocupação deve focar-se no que nós precisamos fazer para que África deixe de viver de mão estendida e pare de implorar por ajuda, caridade e donativos.”

O continente africano, quando você olha para os seus recursos, é quem devia estar a doar aos outros povos.

“Precisamos de uma mentalidade que diz que nós podemos fazê-lo … e uma vez tendo essa mentalidade, veremos que há um factor libertador em nós mesmos “.

De acordo com a OCDE, os países da África Subsaariana recebem cerca de 25% da ajuda global ao desenvolvimento.

O vídeo da conferência de imprensa foi visualizado centenas de milhares de vezes e compartilhado por muitos usuários das redes sociais em todo o continente.

Houve quem descreveu como “provavelmente a mensagem mais poderosa nos últimos tempos, vinda de um líder africano”.

Deixar uma resposta